Buscar
  • À Sua Saúde

O Avanço do Novo Coronavírus no Brasil e no Mundo (update 22):


Mundo:


O novo coronavírus continua se espalhando pelo mundo, com mais de sete milhões de casos confirmados em 188 países. Cerca de 420.000 pessoas perderam a vida.


Os EUA têm, de longe, o maior número de casos - agora mais de dois milhões e mais de 25% do total global - de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins. O país também tem o maior número de mortos no mundo, seguido pelo Reino Unido e Brasil.


Na China, o número oficial de mortos é de 4.600 em cerca de 84.000 casos confirmados, embora os críticos tenham questionado se os dados oficiais do país podem ser confiáveis.


Globalmente, acredita-se que o número real de casos seja muito maior do que os relatados, já que muitos daqueles assintomáticos e com sintomas mais leves não foram testados e contados.


Quais regiões ainda estão assistindo o crescimento do surto?


Enquanto alguns países começam a ver os casos confirmados e as mortes caírem após restrições e isolamento, outros ainda estão vendo os números aumentarem.


Um forte crescimento na América Latina na segunda quinzena de maio levou a OMS a dizer que as Américas eram o novo centro da pandemia. Mas também foram percebidos novos picos na África, Ásia e Oriente Médio.


Peru, México, Chile e Equador estão entre os países da América Latina que tiveram surtos generalizados, mas há uma preocupação particular com o Brasil.


A Índia e o Paquistão viram o número de infecções e mortes aumentar nas últimas semanas e os sistemas de saúde nos dois países parecem estar sob pressão.


No Irã, há temores de uma segunda onda de infecções. A média de novos casos foi superior a 3.000 por dia na primeira semana de junho - um aumento de 50% na semana anterior.


A África do Sul e o Egito tiveram os maiores surtos até agora no continente africano. Mas as taxas de testes são extremamente baixas em algumas partes da região e isso pode distorcer a compreensão de quão longe o vírus se espalhou.



Na Europa, Reino Unido, Itália, Espanha e França, juntamente com outros, agora parecem terem passado do pico, com o número de novos casos confirmados e mortes caindo. O Reino Unido registrou mais de 41.000 mortes por coronavírus, o número mais alto da Europa. A Itália teve o segundo maior número de mortos, com cerca de 34.000, enquanto a França e a Espanha estão logo abaixo de 30.000.


No entanto, diferenças no tamanho da população e na forma como os países relatam seus números, incluindo algumas mortes em casas de repouso ou mortes de suspeitos, dificultam a contagem.


Um estudo recente do Imperial College of London, sugeriu que os bloqueios em toda a Europa salvaram mais de três milhões de vidas.


Mas o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC) alertou que o risco de uma segunda onda de infecções exigindo que os países europeus reimponham os bloqueios totais é moderado a alto.


O ECDC disse que, embora a transmissão já tenha atingido seu pico na maioria dos países europeus, a limitação da propagação da doença dependerá de quão bem as pessoas cumpram as regras, à medida que as restrições são gradualmente levantadas.


Brasil:


O Brasil ultrapassou as 40 mil mortes, segundo atualização do Ministério da Saúde divulgada no início da noite de ontem (11).


O balanço apontou 1.240 novas mortes e 30.412 novos casos de covid-19 nas últimas 24h.


Com esses acréscimos às estatísticas, o país chegou a 40.919 falecimentos em função da pandemia do novo coronavírus e 802.828 pessoas infectadas. O país conta ainda com 416.314 pessoas em observação e 345.595 estão recuperados.



Os estados com maior número de óbitos são São Paulo (10.145), Rio de Janeiro (7.363), Ceará (4.663), Pará (4.030) e Pernambuco (3.633). Ainda figuram entres os com altos índices de vítimas fatais em função da pandemia Amazonas (2.400), Maranhão (1.360), Bahia (1.013), Espírito Santo (962), Alagoas (681) e Paraíba (570).


Vacina Brasileira!


O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), explicou ontem o acordo entre o Instituto Butantan e o laboratório chinês Sinovac Biotech para a produção de uma vacina para a covid-19, que prevê teste em nove mil voluntários brasileiros.

Caso comprove eficácia, a medicação pode estar disponível no primeiro semestre de 2021.


"O acordo prevê a participação de São Paulo na realização de testes clínicos desta vacina, com o acompanhamento de nove mil voluntários brasileiros a partir do próximo mês de julho — dentro, portanto, de três semanas, nove mil voluntários já estarão sendo testados aqui no Brasil", disse o governador em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes.


A vacina já passou pelas fases 1 e 2 de testes e contou com a participação de quase mil voluntários na China.


O mundo contabiliza hoje mais de 100 vacinas em desenvolvimento, vacinas contra o coronavírus. Mas apenas 10 atingiram a fase final de testes em humanos. A vacina do Instituto Butantan é das mais avançadas contra o coronavírus. E os estudos indicam que ela estará disponível no primeiro semestre de 2021 — ou seja, até junho do próximo ano.



Mantenha o isolamento para proteger a todos!



Fonte:BBC/AgenciaEBC/UOL.

180 visualizações

(21) 2511-1101

©2019 por À Sua Saúde. Orgulhosamente criado com Wix.com